A ABRAT esteve presente na nova posse da ACAT - Associação Carioca dos Advogados Trabalhistas. A nova diretoria da ACAT/RJ presidente Paulo Rubens Souza Maximo Filho, Vice Presidente Alexandre França Bastos.

ABRAT representada pelos ex-presidente Nilton Correia e Antonio Fabricio de Matos Gonçalves , juntamente com a vice presidente Alessandra Camarano visitam o deputado Patrus Ananias (PT-MG) relator na CCJ CD do PL 4750/2017.

O presidente da ABAT Jorge Lima, participou do Debate sobre o Impacto das Reformas no Mundo do Trabalho, ao lado Márcio Pochmann (IPEA), Angelica Ferreira (AMATRA) e Olivia Santana (SETRE), no Ministério Público da Bahia.

ABRAT, hoje, 12 de junho, em Genebra, no Ato Público contra as reforma trabalhista organizado pelas centrais sindicais na Plaza das Nações em frente ao Prédio da ONU. 

Dia 9 de junho, na Casa Vetro, em Porto Alegre, foi o evento de posse de da nova gestão da AGETRA - Associação Gaúcha dos Advogados Trabalhistas.

João Vicente Silva Araújo recebeu de seu antecessor, o advogado Denis Rodrigues Einloft, a presidência da associação.

Vítor Noé Vice-presidente da ABRAT, Região Norte, fez a leitura da CARTA DE MANAUS.

Trabalhador que teve a Carteira de Trabalho extraviada pelo empregador deverá ser indenizado em R$ 5 mil, a título de danos morais. A sentença, tomada pela juíza da 1ª Vara do Trabalho de Palmas (TO), foi mantida pela Segunda Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região (TRT-10). De acordo com os desembargadores, a perda do documento vai acarretar grandes dificuldades ao trabalhador, que pode jamais conseguir recuperar todos os registros, o que ocasionará transtornos para aquisição de direitos que dependem das anotações constantes da carteira.

Uma agente de combate a endemias contratada pelo município de Santo ângelo ganhou direito a diferenças em relação ao seu adicional de insalubridade. Ela recebia o benefício em grau médio (20%), mas deve passar a usufrui-lo em grau máximo (40% sobre o salário-base recebido). No entendimento da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), a trabalhadora mantém contato com lixo urbano e, como consequência, está exposta a agentes biológicos nocivos à saúde. A decisão reforma sentença da Vara do Trabalho de Santo Ângelo. Cabe recurso ao Tribunal Superior do Trabalho (TST).

A Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SDI-1) do Tribunal Superior do Trabalho decidiu, por maioria, condenar a Drogaria Rosário S.A. a pagar adicional de insalubridade a uma gerente, por causa da aplicação de injeções de forma rotineira. O resultado do julgamento reformou decisão da Oitava Turma do TST que havia negado o pagamento da parcela à trabalhadora.