A Associação Espírito-santense dos Advogados Trabalhistas, indignada, vem por meio deste, com veemência, apresentar nota de repúdio às declarações feitas pelo Sr. Pinto R. Rocha, prestadas na página de Facebook do então vice-prefeito de Cariacica e advogado, Sr. Nilton Basílio Teixeira, através do qual pretende desqualificar os profissionais do direito militantes na seara Trabalhista. 

A Associação Espírito-santense dos Advogados Trabalhistas, indignada, vem por meio deste, com veemência, apresentar nota de repúdio às declarações feitas pelo Sr. Pinto R. Rocha, prestadas na página de Facebook do então vice-prefeito de Cariacica e advogado, Sr. Nilton Basílio Teixeira, através do qual pretende desqualificar os profissionais do direito militantes na seara Trabalhista. 

 

Por certo que as afirmações perpetradas pelo Sr. Pinto R. Rocha revelam seu desconhecimento acerca da história da sociedade, eis que o Direito do Trabalho nasceu para promover o equilíbrio nas relações de trabalho e reflexamente conquistaram aumento da igualdade social, dignificação do trabalho humano, sendo evidente que os advogados trabalhistas, defensores da classe trabalhadora ou econômica contribuíram diretamente para este processo de construção, afinal, são indispensáveis à administração de Justiça e manutenção da democracia!

Além do mais, a Justiça é imparcial e ambas as partes tem o amplo direito a defesa, sendo que as decisões tomam por base a prova dos autos. Assim, não são os advogados que decidem, são estes apenas operários do Direito responsáveis pela condução de ambas as partes, tanto empregados como os donos de farmácia, açougue, oficina, serralheria e afins, grandes ou pequenas, permitindo-lhes experimentar o contraditório e ampla defesa de forma segura. 

Não é por acaso que a Constituição Federal, em seu artigo 133, assim dispõe:

“Art. 133. O advogado é indispensável à administração da justiça, sendo inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, nos limites da lei. ”

No mais, não fosse o Direito do Trabalho e os advogados trabalhistas, possivelmente não existiriam tantos donos de farmácia, açougue, oficina, serralheria dentre outros, resumindo-se a classe trabalhadora brasileira e grande parte da mundial em operários de grandes multinacionais. Mas a distribuição de renda permitida pelo Direito Laboral permitiu a evolução econômica e social!

Diante do contexto histórico da humanidade, é evidente que não pretendem os advogados trabalhistas extorquir empregadores e tampouco beneficiar trabalhadores com mentiras, mas sim dignificar o trabalho humano e devolver a esperança a aqueles que foram injustiçados, agindo sempre comprometidos com a Justiça e a boa-fé processual estando certos de que a infeliz declaração do Sr. Pinto R. Rocha merece o nosso repúdio e as providências necessárias em face da gravidade das acusações.